As intenções dos corações

Existem palavras duras que salvam da morte, e existem palavras duras que empurram para ela.

As intenções dos corações

Existem palavras duras que salvam da morte, e existem palavras duras que empurram para ela. O melhor filtro que podemos ter são as intenções de um coração que é propenso ao engano.  Porque por vezes ferimos sem querer ferir, mas a Palavra de Deus é apta para discernir as intenções. Ela é o filtro. 

Quando as intenções não são de morte, mas seus efeitos sim, melhor é desprezar a letra e as palavras impulsivas, para interpretar a intenção do coração, do que, sem filtro de discernimento, introjetarmos tudo dentro de nós e acabarmos morrendo por isso. Eu creio que a má forma de falar e se expressar, é sim um problema, mas o menor dos problemas quando o coração já está cheio de questões não resolvidas. 

A exemplo, o casamento é tornar-se uma só carne. E  Cristo se tornou uma só carne com a Igreja, sofrendo em si mesmo os pecados de sua esposa (já não digo noiva porque já está feito em Deus). E a orientação do apóstolo Paulo, é nós, maridos, fazermos o mesmo por nossas esposas. Mas para tudo ser completo, não exige somente a ação de uma parte. Exige a ação do todo. No sentido de que se um erra, todos erraram. Porque se um se inflama, outro precisa ter a sensibilidade para quebrantar. Mas se isto se tornar corriqueiro e apenas um lado sofrer constantemente o peso do quebrantamento e das concessões, não há quem resista. Isto não é uma particularidade, acontece em qualquer lugar com qualquer um que lançar sobre o cônjuge um fardo que ele mesmo não está disposto a tomar sobre si, e que portanto, não é leve e suave, e não vem do Senhor . 

"Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja" Efésios 5:29

Mas eu nunca vi nada que o Amor não pudesse restaurar. O que vejo constantemente é falta de fé (sem desconsiderar que são "ambos" em uma só carne, e portanto a decisão é de dois e não únicamente de um só). O amor restaura tudo. O amor, de fato, costura as feridas. Quando há amor, a paciência é exercitada e a dor é vencida pela atitude contrária às lógicas humanas. Pelo amor, o esposo e a esposa encontram novamente as primeiras coisas que de valor encontraram um no outro. E não há tempo que mude isso. 

Mas o problema está dentro. Antes de sair pela boca. 

Algumas pessoas se gabam de ser como elas são, dizendo: "Eu sou assim!" ou "comigo é assim!". Mas é tudo infantilidade. E uma hora se percebe que estamos sendo bobos e por vezes até ridículos em sustentar definições que nos deixam paralisados na nossa ignorância. Que não nos projetam a melhorar, em Cristo, nosso modelo.

"O quê", "quem" e "porquê" está-se dizendo o que se diz! - são deixados de lado em uma discussão, mas se houvesse paz naquele instante para olharmos para dentro, perceberíamos que os maiores desajustes estão em não resolver questões passadas que devem ser resolvidas. Porque sem resolvê-las, logo logo ela nos visitará de novo de muitas formas diferentes, e mais forte.

As redes sociais, por exemplo, agravaram as comunicações. Sim, esta mesma aqui que utilizamos. Se não tivermos discernimento, uma mesma mensagem chega a destinatários diferentes, de diferentes formas. Embora se tenha enviado uma mensagem para vida, sem o sentimento que o som de nossas vozes trazem, podem ser interpretadas complementamente diferentes, do que para a qual foram enviadas. Portanto, o melhor em qualquer caso de dúvida, é o diálogo aberto. Assim todos enganos são derrubados e a vida encontra caminho.

Possamos vigiar nossas palavras e a maneira com quê as conduzimos, isto em relação a nós mesmos. Mas em relação ao outro, ter paciência e não absorver a morte alheia, para ser apto a ajudar alguém de subir da sepultura, sabendo que nós também em algum tempo fomos assim, ou também precisaremos de ser ajudados.